26 de ago de 2013

Concurso da UFC oferece 42 vagas para níveis superior e médio, destas, duas são para Crateús

Quatro campi serão contemplados

disponivel em @DiarioOnline

FOTO: ALEX COSTA
A Universidade Federal do Ceará (UFC) inicia nesta segunda-feira (26) as inscrições para concurso de cargos técnico-administrativos para níveis superior e médio em Fortaleza, Sobral, Crateús e Russas. São 65 vagas disponíveis. As inscrições serão feitas até o dia 8 de setembro, somente pela Internet, através do site da Coordenadoria de Concursos da UFC (CCV).

Inscrições vão até próximo dia 8.
Isenção até terça-feira
Os candidatos que desejarem, podem solicitar isenção da taxa de inscrição, que custa R$ 50,00 (nível médio) e R$ 100,00 (nível superior). Os pedidos devem ser feitos até terça-feira (27).
No total, para cargos de nível superior (Edital nº 262/2013), são ofertadas 42 vagas em Fortaleza, duas em Sobral, além das duas vagas do Campus de Crateús e duas no de Russas. Na Capital, as oportunidades são para: analista de tecnologia da informação, assistente social, arquiteto e urbanista, auditor, bibliotecário documentalista, engenheiro, fisioterapeuta, geólogo, produtor cultural e secretário executivo. Em Sobral, as vagas são para psicólogo e secretário executivo.
Para nível médio, as 17 vagas disponíveis são para Fortaleza nos cargos de técnico de tecnologia da informação e técnico em segurança do trabalho (Edital nº 263/2013).

24 de ago de 2013

O pior analfabeto é o analfabeto midiático

“Ele imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo esforço intelectual”. Reflexões do jornalista Celso Vicenzi em torno de poema de Brecht, no século 21

Por Celso Vicenzi, no Outras Palavras
Ele ouve e assimila sem questionar, fala e repete o que ouviu, não participa dos acontecimentos políticos, aliás, abomina a política, mas usa as redes sociais com ganas e ânsias de quem veio para justiçar o mundo. Prega ideias preconceituosas e discriminatórias, e interpreta os fatos com a ingenuidade de quem não sabe quem o manipula. Nas passeatas e na internet, pede liberdade de expressão, mas censura e ataca quem defende bandeiras políticas. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. E que elas – na era da informação instantânea de massa – são muito influenciadas pela manipulação midiática dos fatos.
Não vê a pressão de jornalistas e colunistas na mídia impressa, em emissoras de rádio e tevê – que também estão presentes na internet – a anunciar catástrofes diárias na contramão do que apontam as estatísticas mais confiáveis. Avanços significativos são desprezados e pequenos deslizes são tratados como se fossem enormes escândalos. O objetivo é desestabilizar e impedir que políticas públicas de sucesso possam ameaçar os lucros da iniciativa privada. O mesmo tratamento não se aplica a determinados partidos políticos e a corruptos que ajudam a manter a enorme desigualdade social no país.
Questões iguais ou semelhantes são tratadas de forma distinta pela mídia. Aula prática: prestar atenção como a mídia conduz o noticiário sobre o escabroso caso que veio à tona com as informações da alemã Siemens. Não houve nenhuma indignação dos principais colunistas, nenhum editorial contundente. A principal emissora de TV do país calou-se por duas semanas após matéria de capa da revista IstoÉ denunciando o esquema de superfaturar trens e metrôs em 30%.
jornal nacional analfabeto midiático
Bancada do Jornal Nacional (Divulgação)
O analfabeto midiático é tão burro que se orgulha e estufa o peito para dizer que viu/ouviu a informação no Jornal Nacional e leu na Veja, por exemplo. Ele não entende como é produzida cada notícia: como se escolhem as pautas e as fontes, sabendo antecipadamente como cada uma delas vai se pronunciar. Não desconfia que, em muitas tevês, revistas e jornais, a notícia já sai quase pronta da redação, bastando ouvir as pessoas que vão confirmar o que o jornalista, o editor e, principalmente, o “dono da voz” (obrigado, Chico Buarque!) quer como a verdade dos fatos. Para isso as notícias se apoiam, às vezes, em fotos e imagens. Dizem que “uma foto vale mais que mil palavras”. Não é tão simples (Millôr, ironicamente, contra-argumentou: “então diga isto com uma imagem”). Fotos e imagens também são construções, a partir de um determinado olhar. Também as imagens podem ser manipuladas e editadas “ao gosto do freguês”. Há uma infinidade de exemplos. Usaram-se imagens para provar que o Iraque possuía depósitos de armas químicas que nunca foram encontrados. A irresponsabilidade e a falta de independência da mídia norte-americana ajudaram a convencer a opinião pública, e mais uma guerra com milhares de inocentes mortos foi deflagrada.
O analfabeto midiático não percebe que o enfoque pode ser uma escolha construída para chegar a conclusões que seriam diferentes se outras fontes fossem contatadas ou os jornalistas narrassem os fatos de outro ponto de vista. O analfabeto midiático imagina que tudo pode ser compreendido sem o mínimo de esforço intelectual. Não se apoia na filosofia, na sociologia, na história, na antropologia, nas ciências política e econômica – para não estender demais os campos do conhecimento – para compreender minimamente a complexidade dos fatos. Sua mente não absorve tanta informação e ele prefere acreditar em “especialistas” e veículos de comunicação comprometidos com interesses de poderosos grupos políticos e econômicos. Lê pouquíssimo, geralmente “best-sellers” e livros de autoajuda. Tem certeza de que o que lê, ouve e vê é o suficiente, e corresponde à realidade. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e o espoliador das empresas nacionais e multinacionais.”
O analfabeto midiático gosta de criticar os políticos corruptos e não entende que eles são uma extensão do capital, tão necessários para aumentar fortunas e concentrar a renda. Por isso recebem todo o apoio financeiro para serem eleitos. E, depois, contribuem para drenar o dinheiro do Estado para uma parcela da iniciativa privada e para os bolsos de uma elite que se especializou em roubar o dinheiro público. Assim, por vias tortas, só sabe enxergar o político corrupto sem nunca identificar o empresário corruptor, o detentor do grande capital, que aprisiona os governos, com a enorme contribuição da mídia, para adotar políticas que privilegiam os mais ricos e mantenham à margem as populações mais pobres. Em resumo: destroem a democracia.
Para o analfabeto midiático, Brecht teria, ainda, uma última observação a fazer: Nada é impossível de mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
O analfabeto político
O pior analfabeto, é o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala, não participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida,
O preço do feijão, do peixe, da farinha
Do aluguel, do sapato e do remédio
Depende das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que
Se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia política.
Não sabe o imbecil,
Que da sua ignorância nasce a prostituta,
O menor abandonado,
O assaltante e o pior de todos os bandidos
Que é o político vigarista,
Pilanta, o corrupto e o espoliador
Das empresas nacionais e multinacionais.
Bertold Brecht

23 de ago de 2013

Fábio de Melo em Crateús


Show será realizado no Estádio Municipal 


Foto: Divulgação

Está marcado para o dia 15 de dezembro em Crateús, o show da turnê de lançamento do DVD: “Queremos Deus” do Padre Fábio de Melo. O evento será parte da programação das festividades do padroeiro de Crateús, Senhor do Bonfim.
 O show será realizado no Estádio Juvenal Melo, e fará parte da tradicional Romaria da Luz, promovida anualmente pela Paróquia Senhor do Bonfim.
De acordo com Enival Sampaio, presidente da Associação Cultural Senhor do Bonfim, a previsão é que a venda dos ingressos comecem já no mês de outubro a preços populares.  
Outra grande novidade é a nomeação, pelo Papa Francisco, do novo bispo da diocese de Crateús.

Serviço:
Show com o Padre Fábio de Melo
Data: 15/12/2013
Local: Estádio Municipal

19 de ago de 2013

WhatsApp: entenda as setas verdes nas mensagens e evite brigas


Por Ana Ikeda do UOL, de São Paulo

  • Arte UOL
    ''Tiques'' verdes do WhatsApp indicam que mensagens foram entregues, e não lidas 
  •  ''Tiques'' verdes do WhatsApp indicam que mensagens foram entregues, e não lidas
Quantos desentendimentos e cobranças em vão já devem ter ocorrido entre namorados, amigos e parentes por algo tão pequeno (e erroneamente interpretado): os símbolos verdes de "tique" ao lado da mensagem no WhatsApp. Muita gente pensa que essa marca significa que a mensagem foi lida, quando na verdade indica apenas que ela foi entregue no celular da pessoa.
Segundo a seção de "Perguntas e respostas" do WhatsApp, as marcas verdes têm dois significados:
Um "tique": mensagem entregue ao servidor. Significa que ela chegou à "central" do WhatsApp. A mensagem ainda não foi entregue ao destinatário. Para listar os possíveis motivos de isso ter acontecido, o aplicativo cita algumas situações:
- O telefone do destinatário pode estar desligado ou sem bateria.
- Ele pode estar dormindo, especialmente se estiver em outro fuso horário.
- Ele pode não estar conectado à internet (estar em elevador, em roaming ou sem créditos de dados).
- Ele pode ter visto a notificação na tela, mas não abriu o aplicativo para confirmar o recebimento da mensagem (muito comum no caso de destinatário com iPhone).
- Ele pode ter bloqueado você.
Dois "tiques": mensagem entregue ao telefone de seu parceiro de conversa. Não significa necessariamente que o destinatário leu a mensagem, apenas que ela chegou ao celular dele. Repetindo, de outra forma: o celular pode estar dentro do bolso ou da bolsa, a mensagem está ali no aplicativo, mas a pessoa não leu.
O WhatsApp explica ainda que no caso de mensagens em grupo, a pessoa sempre verá apenas um "tique" (o que indica que a mensagem foi entregue ao servidor).
Outras indicações mal-interpretadas
No alto da tela do chat, o WhatsApp indica o horário em que aquele contato foi visto pela última vez. Muitas pessoas interpretam isso como "ele esteve aqui tal horário e não leu a mensagem que enviei nesse mesmo horário".
O "visto pela última vez", segundo a própria empresa, indica o horário em que o contato saiu do WhatsApp. Se você enviou a mensagem e ela não foi respondida, a pessoa simplesmente pode não ter aberto a tela do seu chat: ela saiu do aplicativo sem ler o que você enviou.
Para quem tem Android, não é possível desligar essa marcação. Se você não quer ser "visto pela última vez" por alguém, deve bloquear esse contato. Já no iPhone, isso é possível em Opções > Opções de conversa> Avançado. Ao desabilitar "Visto por último" no aparelho da Apple, o aplicativo não mostra quando o usuário se conectou pela última vez (essa configuração leva até 24 horas para ser ativada).
Por último, o aplicativo permite que você escolha se quer ver ou não a hora em que as mensagens foram enviadas ou recebidas. Ela aparece bem pequena ao lado dos balões do chat. De novo, isso não indica que "a pessoa leu a mensagem tal horário", só qual hora ela foi entregue no celular do destinatário.
Então, para ter sossego, evite ficar comparando esse horário ao do "visto pela última vez": eles têm significados diferentes.


WhatsApp: saiba bloquear contatos e remover horário das mensagens11 fotos


O WhatsApp, aplicativo de mensagens instantâneas, não permite que usuários do Android escondam o horário em que foram vistos pela última vez, mas outros ajustes ajudam a ter mais privacidade (e sossego). Veja a seguir como bloquear um contato e não exibir o horário das mensagens Reprodução

13 de ago de 2013

Crateús promove encontro para discutir a cultura regional em Fórum


Está marcada para terça-feira, (20/08), a Reunião do Fórum de Cultura e Turismo da Região dos Sertões de Crateús. O evento será organizado pela Secretaria de Cultura, Turismo, Desporto e Juventude da cidade de Crateús.
O encontro terá como objetivo: articular ideias, políticas e ações coletivas para valorizar, promover e difundir a arte da Região dos Sertões de Crateús. 
Como consta do convite anexo, a reunião será voltada para secretários ou Chefe de Departamento de Cultura e Turismo e Agentes Culturais.

Para a reunião receberemos técnicos da Secretarias da Cultura e Turismo do Ceará que vêm fazer uma explanação sobre as políticas dos Fóruns Regionais de Cultura e Turismo no Estado.

Serviço:
Local: Casa de Arte e Cultura João Batista
Rua Francisco Sá, 144 - Centro, Crateús-CE
Data: 20 de agosto de 2013
Horário: 09:00h

8 de ago de 2013

#Pare - Um olhar sobre o trânsito de Novo Oriente.







Devo concordar que nosso transito, o trânsito de Novo Oriente, está caótico. São carros (de todos os portes), motocicletas, bicicletas e pedestres, promovendo o que há de mais absurdo nas ruas e avenidas de nossa cidade.
Ninguém, ou quase ninguém, (para não generalizar), respeita o espaço do outro, entra na via sem dar sinal, não para onde tem que parar, simplesmente avança, bloqueia a via, impedindo que outros sigam, pedestres trafegam pelas ruas, pois as calçadas estão sempre ocupadas, intransitáveis.
Acredito que enquanto não houver uma conscientização coletiva, o nosso município permanecerá com todos esses desastres, com toda essa bagunça nas ruas e avenidas entupidas de erros.  
A proposta do executivo de municipalização do trânsito, chegou em boa hora, não dá mais para continuarmos nessa. Precisamos de medidas corretas, precisamos de campanhas educativas, até para estacionar. Precisamos nos respeitar. Respeitar o idoso, a criança, o pedestre, o deficiente físico, no trânsito. Precisamos saber dos nossos direitos e deveres. É nosso papel, é nosso dever!
Eu sonho com isso e esse sonho não é só meu. Esse sonho é nosso, mas para tornamos realidade, precisamos ir em busca desse sonho.