18 de set de 2011

Hoje Dom Bosco veio me visitar.


Tenho uma paixão imensa por Dom Bosco. Um santo que sempre segui e acredito, suas bem feitorias enriqueceram a humanidade. Já tive o prazer de trabalhar com os salesianos e posso afirmar que era um trabalho que me fazia bem, tanto pelo lado profissional, quanto para o lado espiritual, trabalho que me trazia paz profunda. E por incrível que pareça, no bairro para qual me mudei recentemente, tem a  Paróquia Dom Bosco. E hoje a noite, durante a missa, fiquei a pensar, vendo a imagem de Dom Bosco no telão, senti uma paz, um conforto que me levou a pensar na família e amigos muitos deles estão longe,  pedi bastante a proteção do Santo, para todos. Sei que ele me atenderá, pois, creio muito em sua obra.
 Se você é devoto de Dom Bosco, reze sempre, que ele intercederá por vós. Tenham todos, uma semana iluminada.

A Capela
Foto externa da nova igreja que ainda está em construção. 
Aos domingos pela manhã as missas são realizadas numa capela menor, a comunidade fica mais juntinha, aos poucos, casais, crianças, e adultos lotam a capelinha. São casai novos e casais com mais idade, mas todos unidos por um só objetivo, rezar. Todos agasalhados, por causa das manhãs que geralmente são frias. O Padre abençoa a todos, num ato de amor incondicional, amor em comunidade, unida, uma família de fé.
Breve História

A Paróquia São João Bosco, quando capela pertencia a Paróquia Sagrada Família.
No dia 15 de dezembro de 1992, ela foi criada por Dom Nélson Westrupp e o Conselho de Presbíteros da Diocese de São José dos Campos.
Foi instalada solenemente no dia 07 de março de 1993, tendo como primeiro pároco o Revmo. Padre Dimas Cornélio do Nascimento.
O primeiro registro de batizado é do dia 14 de Março de 1993. E o primeiro registro de casamento é do dia 29 de Maio do mesmo ano. Ambos presididos pelo Revmo. Padre Dimas Cornélio do Nascimento.
Os bairros que compõe a Paróquia são: Jardim das Indústrias, onde está a Igreja Matriz; Jardim Alvorada; Limoeiro (Capela São Sebastião); Pôr-do-Sol (Capela Nossa Senhora Auxiliadora) e Jardim Aquárius (Comunidade Nossa Senhora Aparecida)


12 de set de 2011

Revirada Cultural Cênica de Goiânia

Goiânia é assim: linda! Tem cultura. Tem gente bonita e feliz. Gente que adora contar histórias de causos diversos. Culturalmente falando, Goiânia é uma riqueza só.
A Revirada Cênica é uma parceria do ator, diretor e produtor, Ivan Lima, Secretaria de cultura e prefeitura de Goiânia.



Foto divulgação
Curta: ~> Circolando
Trupe Pés Nús de Circo e Teatro 
Quarta-feira (14), 17h
BOSQUE DOS BURITIS 


Senhor Lando é um sujeito muito alegre e extrovertido, muitos anos se passaram desde seu nascimento e estréia embaixo de uma lona. Viajou pelos quatro cantos do planeta levando a arte do circo aos lugares mais inacreditáveis. Em cada lugar que passou deixou saudades e sorrisos. Em alguns deles levou consigo um ou outro que completam hoje a sua Trupe de itinerantes seguindo o caminho da arte feita com o coração. O espetáculo conta a estória de uma Trupe de Circo que por onde passa traz a alegria e lembranças dos momentos da vida. Misturando as linguagens do circo tradicional, moderno e contemporâneo, mantendo assim acesa essa chama. Senhoras e senhores, respeitável público.
Venham se deixar levar pela imortal arte de sua majestade, O CIRCO.

Curta: ~> Vamos a la praia 
Grupo Bastet

Quarta-feira (14), 18h
RUA DO LAZER


Tudo começa quando os palhaços Florentim e Henriqueta Zabeta resolvem, em um lindo dia de sol, ir à praia. No entanto, na cidade onde moram não existe praia. Inconformados, organizam um protesto e exigem das autoridades locais que seja construída imediatamente uma praia. Como ninguém se mobiliza, a dupla de palhaços resolve construir a primeira praia imaginária do mundo. E para isso contam com o apoio de toda a platéia. 



Curta: ~> De Amor por ANEXINS 

Grupo Guará PUC

Quarta-feira (14), 18h
PARQUE FLAMBOYANT
Foto: divulgação



Escrita pelo maranhense, Artur Azevedo, a peça mostra a história de Isaías, um senhor distinto, com situação financeira confortável, que resolveu casar-se. Propôs casamento à Inês, senhora distinta, viúva e costureira por profissão. Para desposar a viúva recatada, escreve-lhe cartas contando suas intenções que são as melhores possíveis e que está à espera de uma reposta às cartas escritas para ela. 
O espetáculo se desenvolve através de um elaborado jogo de palavras, o antigo enredo daqueles que querem encontrar seu par amoroso e daqueles que querem se dar bem através do casamento. 


Curta: ~> Hoje é Domingo 

Grupo Solo de dança de Goiânia

Sexta-feira (16), 18h
RUA DO LAZER


Foto: Divulgação

Mais um espetáculo do Grupo Solo de Dança de Goiânia.Dirigida por Lázaro Tuim. Hoje é Domingo mistura as linguagens da dança contemporânea e do teatro. Utiliza da música popular, da comêdia dell' art e da dança de salão para contar um história de desventuras e paixões através do movimento e da música.



Curta: ~> Corderama

Grupo Sonhus teatro Ritual

Sexta-feira (16), 18h
RUA DO LAZER

Foto divulgação

O Grupo Sonhus Teatro Ritual apresenta o espe-táculo CORDERAMA. Um divertido espetáculo de cultu-ra popular que se desenrola como um varal cheio de cordéis e imagens penduradas, típico de feiras nordes-tinas. Fruto de uma pesquisa sobre a cultura popular do Nordeste do Brasil, com especial enfoque na literatura de cordel e na dança popular dramática Cavalo Mari-nho tradicional da Zona da Mata pernambucana. Das telas de Cândido Portinari aos cordéis de Patativa do Assaré, o espetáculo procura uma essência fundamen-talmente brasileira que parte da valorização de uma Cultura Local para abordar temas universais como a vida, a aprendizagem, a morte e as paixões humanas, tudo de forma muita simples e bem humorada. Os mo-vimentos dos atores surgem com elementos do Cavalo Marinho tanto no aspecto coreográfico da dança em seus passos chamados de trupés quanto em seus per-sonagens. No espetáculo também são utilizados técni-cas de Teatro de máscaras, manipulação de bonecos, commedia del arte e mímica, além de referências dramatúrgicas com trechos de A Pena e a Lei, texto de Ariano Suassuna e ainda uma pesquisa musical na so-noridade nordestina, tanto musical quanto na fala.


Curta: ~> Teimosinho e Mandão
Grupo Trupicão
Sexta-feira (16), 20h
FEIRA DO CEPAL SETOR SUL

Foto: divulgação

Voltado para o público infantil, o espetáculo, conta a história de dois sujeitos muito patetas, de nomes,Teimosinho e Mandão, que vivem cada qual, em seu barril de pólvora.Cada qual com uma vela acesa, na mão, exige que o outro apague sua velinha, mas nenhum dos dois quer ceder. “Cada um, acha que pode exigir do outro o que não faz. O jogo entre as personagens de “Dois Patetas espatifados” - serve de gancho para um espetáculo inteligente, que coloca a platéia infantil em contato com um dos maiores entraves das relações humanas: os conflitos de comunicação e a disputa pelo poder. Teimosinho e Mandão, não conseguem viver próximos um do outro sem se digladiarem pelas mínimas coisas.



Curta: ~> Biloca

Cia. da Paz em cartaz

Sábado (17), 18h
PARQUE FLAMBOYANT

Foto: Divulgação

Biloca é um contador  de  histórias que viaja  o mundo todo reunindo histórias em seu baú. Um dia ele recebe uma carta. Dentro do envelope misterioso havia um pedido de socorro e uma passagem de avião para a Floresta Amazônica. 
Mas, quem mandou essa carta?  Um grande mistério à ser resolvido.
Biloca viaja para a Amazônia em busca de aventuras. Ele encontra o Lobo-Guará, aranhas, cobras, o sapo que não-lava-o-pé, o indiozinho Curumim, o filho do seringueiro e o Grande Leopardo da Amazônia. Todos se juntam contra os Ladrões-de-Pau.
Um espetáculo cheio de bonecos que vão saindo de um baú  e encantando as crianças. 
“Biloca,o Contador de Histórias em: Uma Aventura na Amazônia” é um super espetáculo que diverte e mostra a importância de amar a natureza.
No ano internacional de Preservação das Floresta, Jaime Júnior escreve um texto com uma linda lição de amor à natureza.


Curta: ~> O Mágico Ecológico e a Bola Sagrada 
Sapequinha
Domingo (18), 16h
BOSQUE DOS BURITIS

Foto: divulgação

Um espetáculo interativo de mágicas de média e grande ilusão, repleto de surpresas, reflexão e muita comicidade. Sem pronunciar uma palavra, o mágico ecologicamente correto se utiliza de pantomimas clássicas, se apropriando de gags do circo tradicional associadas às técnicas do circo contemporâneo. “Ao longo do espetáculo, o mágico vai demonstrando como cada pessoa pode contribuir, com gestos simples, para a preservação ambiental do nosso planeta”, conta o artista.

O tradicional lenço branco do mágico foi trocado por uma ordinária sacolinha plástica, inúmeras vezes reciclada. A garrafa PET cria mistérios que fazem a platéia refletir sobre o tempo de decomposição dos resíduos sólidos. A água que desaparece em cena ganha conotações alarmantes do processo de desertificação da Terra.



Curta: ~> No coração do Brasil 
Esqueteria dos Macacos
Domingo (18), 16h
BOSQUE DOS BURITIS


Foto: divulgação

“No coração do Brasil” é uma síntese bem humorada e muito musical dos aspectos mais importantes da cultura goiana. Nele dois atores se revezam para representar múltiplos personagens que, pouco a pouco vão revelando a alma goiana. Tudo no espetáculo aspira a poesia e humor, música e memórias. Os atores Adriana Veloso e Dionísio Bombinha tocam instrumentos como o acordeão  e a viola caipira para acompanhar as letras singelas que conduzem o espetáculo pelos trieiros goianos. Os textos são de autores goianos, sendo  “O Batista “ e “O espelho” de Ronaldo Silva, “O pacto com a morte” de Mário Rizério Leite,   “Manifesto da cozinha goiana”  e “Chá das cinco” de Gilberto Mendonça Teles, o roteiro e direção do espetáculo são da “Esqueteria Macacos”



4 de set de 2011

Facebook ultrapassa Orkut em usuários no BR e acaba com reinado de 7 anos

Quem nunca teve um perfil no orkut? Passou horas e horas fuçando perfis de amigos? Quando brigava com alguém, acabava amizade excluindo o ex-amigo do orkut? Pois é, hoje isso não existe mais. O Facebook, acabou com o orkut. Usuários do orkut migraram para a nova rede social e o gráfico abaixo mostra a queda brusca. Confira.

Por Rodrigo Martins

O Orkut perdeu seu reinado no Brasil. Segundo a revista Isto É Dinheiro, pela primeira vez o Facebook fechou um mês na frente da rede social do Google em número de usuários. A reportagem, que cita números do Ibope Nielsen Online ainda não divulgados, diz que o serviço de Mark Zuckerberg terminou agosto com 30 milhões de usuários no Brasil. O Ibope é um dos institutos de maior credibilidade em medições na internet.
Para o Orkut, é o fim de uma liderança de mais de sete anos. Desde que se popularizou, em 2004, nunca foi ameaçado aqui no Brasil. Até que o Facebook começou a crescer em todo o mundo. E, demorou, mas roubou a dianteira do até inatingível Orkut.
Imagem: Reprodução
Você migrou?

2 de set de 2011

José Dirceu Vs. Veja. Briga de peixe grande.

Você que adora política e acompanha o dia a dia de Brasília, as trapaças e denúncias diárias de políticos corruptos, ladrões de colarinho branco, idas e vindas dessa gente que apronta e nunca é punida.Tire suas próprias conclusões. Eu tenho a minha forma de pensar e analisar os fatos, não julgo para não parecer injusto. Mas penso e critico. Faça você o mesmo.
José Dirceu travou uma briga contra a revista Veja. (assino veja e não gosto da forma que a revista se porta. Isso para mim não é jornalismo). Mas enfim.
Quero compartilhar um texto maravilhoso de Alberto Dines, genial e completo.
Leia a seguir e comente.

Embora José Dirceu tenha destacado este texto de Dines no seu artigo de hoje, estranha-me a comparação que Dines faz entre as críticas que Lula fazia ao partidarismo da mídia tupiniquim e a ação criminosa de Veja, postas por Dines em pé de igualdade.

Alberto Dines: reportagem de Veja sobre Dirceu um “atentado à inteligência do leitor”

A meu ver são ações completamente diversas, desde a mais óbvia delas, a de que Lula não é jornalista e nunca agiu contra o Estado democrático, nunca censurou ou chegou próximo de algo parecido em relação a qualquer órgão de comunicação no país, enquanto Veja não vê o menor problema em invadir privacidade de hóspedes de um hotel, em usar expedientes da polícia da época da ditadura militar pra atacar, com um jornalismo que não se sustenta nos fatos, os seus inimigos políticos.
Imprensa em Questão: JOSÉ DIRCEU vs. VEJA

Logo da campanha contra a Veja em 2003.

Jornalismo político volta à Era da Pedra Lascada
Por Alberto Dines
30/08/2011 na edição 657 do Observatório da Imprensa
“Caso o ministro Paulo Bernardo (Comunicações) fique insustentável, a presidente Dilma tem seu preferido: Franklin Martins”. (“Panorama Político”, O Globo, domingo, 28/8, pg. 2). Três linhas apenas, no pé da coluna. O suficiente, a mídia entenderá o recado.
Há hoje uma metamensagem ou criptojornalismo, cifrado, exclusivo de um seleto grupo de iluminados. O governo manda suas mensagens, a mídia é obrigada a entender. Mesmo não gostando. A réplica pode vir com a mesma sutileza. Profissionais não brincam em serviço. Faz parte do jogo democrático.
O que conspira contra o jogo democrático são as ameaças de rupturas. O presidente Lula não entendeu, não quis ou não teve paciência para entender o tricô das raposas. Subia no palanque e “mandava ver” – ou mandava brasa, como se dizia na Era Jango. Criou impasses, cavou confrontos perigosos.
É o que fez Veja com a sua última matéria de capa sobre o ex-ministro José Dirceu (“O poderoso chefão”, edição nº 2232, data de capa 31/8/2011). Sutil como uma carga de cavalaria – e tão eficaz quanto esta –, produziu um curto-circuito, reintroduziu a imprudência no diálogo governo-imprensa. Repercutiu no exterior. E daí?
Frágil, inconsistente
A verdade é que a matéria recoloca o jornalismo político brasileiro na Era da Pedra Lascada. Traz de volta os vídeos clandestinos, os arapongas, os dossiês secretos jogados no colo de jornalistas ditos “investigativos”.
José Dirceu, mesmo sem cargo ou mandato parlamentar, suspeito de integrar um grupo que está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal, é um dirigente nacional do partido que ganhou as eleições para a Presidência da República, é também um consultor/lobista. Pode alugar um andar inteiro num hotel dez estrelas em Brasília ou Luanda e nele receber legiões de correligionários, clientes e amigos. Não há nada de ilícito ou malfeito (para usar o dernier-cri dos substantivos).
O texto inteiro de Veja, da primeira à última linha, é customizado, adaptado para servir à tese de que o ex-chefe da Casa Civil está conspirando contra a sua sucessora, atual presidente da República. Não há evidências, apenas insinuações, ambigüidades, gatilhos.
Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento, é amigo pessoal de Dilma Roussef, não poderia conspirar contra ela. José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras cujo maior acionista é o governo, não enfrentaria o seu maior eleitor quando reiniciar sua carreira política. Delcídio Amaral é um petista light, quase-tucano.
A lista dos “conspiradores” é frágil e as possíveis motivações, inconsistentes. O conjunto é disparatado, não faz sentido, carece de lógica. Mesmo enquanto ficção.
Um desserviço
Os encontros gravados duraram em média 30 minutos, tempo insuficiente até para acertar uma empreitada de pequeno porte. Devidamente investigados, os fatos poderiam vincular-se e ganhar alguma dimensão. No estado bruto em que foram apresentados pelo semanário de maior tiragem do país representam um atentado à inteligência do leitor, não renderiam sequer uma nota numa coluna de fofocas políticas.
Este é um jornalismo que não se sustenta, é retrocesso. Não favorece a imagem da imprensa, não ajuda a presidente Dilma, prejudica a oposição. Faz esquecer a faxina moralizadora e degrada o processo político
.