22 de ago de 2011

Servidor é demitido por postar sátira sobre Dilma no Twitter


Um servidor da assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento foi demitido por ter publicado, na quinta-feira (18/8), no Twitter oficial da pasta, um link de humor do siteSensacionalista, com piada a respeito da ‘faxina’ que a presidente Dilma Rousseff estaria realizando no governo. A exoneração do funcionário foi publicada no Diário Oficial da União na última sexta-feira (19/8).


“Isento de verdade”A matéria fictícia que o site humorístico Sensacionalista publicou, na última segunda-feira (16/8), dizia que “a faxina feita pela presidenta Dilma Rousseff no submundo de corrupção do governo rendeu um contrato milionário na área da propaganda. Ela fará o comercial do produto Veja Limpeza Pesada. A presidente chegou ser cotada para anunciar o Bombril, mas não aceitou. Dilma disse a amigos que seu trabalho é muito mais do que ariar panelas. Trata-se de uma limpeza difícil, acumulada por muitos anos”.

Ao se dar conta da confusão no microblog, o jornal O Estado de S. Paulo publicou a gafe e o Sensacionalista postou uma segunda notícia referente ao tema, com o título “Real: twitter do governo publica notícia do Sensacionalista”, ironizando o erro. “Diante da credibilidade do Sensacionalista junto ao governo federal, a redatora Desiree Aparecida, que desenvolveu a matéria, está cotada para o Ministério do Planejamento. E já declarou que, caso seja escolhida, não vai doar seu salário para instituições de caridade”.

Na sequência, a assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento se pronunciou, afirmando à reportagem da Folha de S. Paulo que a brincadeira ficou apenas alguns minutos no ar antes de ser retirada.

Procurado pelo Portal Comunique-se nesta segunda-feira (22/8), a assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento disse que houve um engano, mas que foi corrigido.

Outras dispensasComentários constrangedores a respeito de superiores não são novidade, principalmente no Brasil. Um dos mais lembrados aconteceu em fevereiro, quando o Supremo Tribunal Federal mandou que uma funcionária terceirizada fosse dispensada, pelo falto de ela ter questionado na conta do STF no Twitter quando o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), iria se aposentar.


Depois do incidente, o presidente do Supremo, Cezar Peluso, telefonou para Sarney pedindo desculpas. Na conversa, o senador pediu que a funcionária não fosse punida. O STF também publicou uma nota oficial em sua página, desculpando-se pelo ocorrido.

Sarney reagiu com bom humor ao 'tuíte' e, em um vídeo divulgado na página do Senado, afirmou que ficou “feliz” ao ser comparado com alguém apelidado de “fenômeno”.

Outra situação de mensagens indesejadas na rede social, envolveu um funcionário terceirizado da TV Brasil, que pediu demissão em abril, após ter feito um ataque ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Twitter oficial da emissora, chamando o político de “mentiroso”. O ex-colaborador se referiu ao episódio em que o tucano se recusou a fazer o teste do bafômetro e estava com a carteira de habilitação vencida. O funcionário disse ter publicado a mensagem pensando que estava em sua conta pessoal.


A presidente da Empresa Brasil de Comunicação Tereza Cruvinel, que administra a TV Brasil, explicou o incidente, dizendo que o perfil fora "violado”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário